Gestão Patrimonial e Familiar

No Brasil das duas últimas décadas, testemunhou-se a criação de uma nova riqueza, propiciada por uma inédita estabilidade monetária associada à intensa atividade econômica e abertura de diversos mercados. Esses sujeitos de geração de liquidez, pessoas físicas e famílias, depararam-se, por outro lado, com novos desafios na administração de seu patrimônio, sejam vindos do advento do imposto sobre doações ou de mudanças nas regras das sociedades limitadas e dos regimes de bens do casamento – aliados à volatilidade do cenário financeiro e à interdependência dos mercados.

Esse cenário, portanto, estimulou uma demanda diferenciada pelos serviços de Gestão Patrimonial e Familiar para elaboração de pactos antenupciais, contratos de união estável, testamentos, assessoria para divórcios, inventários, interdições e tutelas. Além desses, também integram o portfólio casos de organização patrimonial, com escopo de planejamento tributário, sucessório ou de proteção, envolvendo não somente recursos financeiros, como bens imóveis, participações societárias e todos os tipos de bens e riquezas, no Brasil e exterior.

Em um país em que 80% dos grupos empresariais de médio e grande porte ainda possuem controle familiar, a prática no escritório tem se dedicado, de forma ativa, à sugestão e implementação de estruturas para adoção de governança corporativa para esses grupos. Isso tem sido realizado por meio de constituição de holdings familiares, instituição de conselhos de administração e de família, e elaboração de acordos de acionistas, conferindo maior estabilidade aos grupos empresariais e, muitas vezes, assegurando a sucessão de sua gestão e controle aos herdeiros consanguíneos do fundador.

Por fim, os profissionais de Gestão Patrimonial e Familiar atuam na mediação e resolução de conflitos, além de disputas entre sócios e familiares, de modo a evitar a ruptura, que não raro tem efeito devastador sobre as relações familiares e traz enormes prejuízos à empresa.